Marcadores

Da Gabi (161) Dos queridos (54) Amor (48) Por aí (35) Família (29) Dicas (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Sampa (3) Filmes (2) Moda (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Musculação "no meu ritmo".... kkkk

Eu acho tão engraçadinho a forma como as pessoas acham que é fácil ficar sarado. É no mínimo ingênuo como as pessoas pensam que em 1 mês de exercício terão um super resultado. Ou então que tem que pegar leve, porque senão fica saradão....

Pés da Gabi e par de pesos de 8kg na Cia Athletica
Tem pessoas que são engraçadinhas mesmo. Lembro de uma tia avó minha que já morreu, minha amada e saudosíssima Clementina, ela me ensinava os "exercícios" dela... Se limitavam a uns alongamentos, mas era fofo ver aquele bracinho cheio de pelanca, aquela pelanca gostosa que criança adora brincar balançando... Fofa....

Eu fui dessas iludidas, eu tinha certeza que treinar pra fazer uma meia maratona e cumprir a prova ia me tornar seca como a Cicarelli. Ahammmm claro que sim! Cara, só se no branco do olho, né? O tanto de gente gordinha que corre maratona é um absurdo.

A máxima do não existe sucesso sem esforço é meu mantra. Ele me faz ir a academia bastante, e olhando pro meu shape da pra ver que não sou nenhuma modelo. Falando por mim meu auge de sarada foi no ano passado com 53-54kg.... 19% de gordura. Naquela época era aula de corrida forte, forte mesmo pelo menos 2x por semana, mais musculação, mais um spinning aqui outro ali e sopa de legumes a noite.

Pra mim esse negócio de "eu mereço uma sobremesa" faz tempo que foi trocado por "eu mereço caber confortavelmente na minha calça jeans".

E ai é isso... Eu frequento academia há 6 anos (e olhem novamente, nenhuma modelo), e nessas épocas de verão, pré carnaval, ou algo assim fica aquela lotação em busca de um milagre. E ainda escuto gente dizendo que é melhor fazer levinho, senão vai ficar grande igual a feiticeira... Doce ilusão.... Doce como a sobremesa que essa pessoa acha que pode comer só porque pedalou meia horinha....

Ai, eu me divirto!

Ps: Uma semana de repouso domiciliar por causa da conjuntivite e ZERO academia. Imagine se estou me pesando diariamente? CLARO!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

"Viver a vida e não deixar que a vida, simplesmente, nos viva"

Como tenho me sentido assim ultimamente... E não sei quanto tempo é esse ultimamente. me sinto consumida. Sério... E tenho a nítida sensação de que muita gente em volta se sente assim.... Numa mistura de sentimentos e de coisas que leio, escuto, percebo fico tentando entender o que acontece... Mas não consigo....

Parece que existe um imenso abismo entre algumas pessoas, ou seria somente a grama do vizinho mais verde que a nossa?

Nessa vida de mulher 'recém casada' sempre me perguntam "e como está a vida de casada?" Eu costumo ser positiva e sempre digo que está tudo bem, que ainda nos faltam alguns armários, mas que a vida é assim mesmo.... Mas a resposta certa não é essa - tirando a parte dos armários. A verdade é que a vida de casada é uma vida em que eu vejo menos o meu namorado do que via quando não morávamos na mesma casa!

A verdade é que minha vida se resume a trabalho, obrigações sociais e familiares, academia e terapia. Obrigada meu Deus por me dar condição de financeiramente me dar esses dois últimos mimos. Acordo querendo dormir mais e vou dormir querendo ter ido pra cama mais cedo. Olho pro meu criado mudo e a pilha de livros por terminar é gigante. Entro no quarto da bagunça - onde estão as araras e as bagunças - e vejo que parece que aquilo não tem e nunca terá fim.

Eu e o Re raramente temos os nossos momentos. Sempre tem algum compromisso. Algum almoço na mãe de alguém, um aniversário, um casamento, alguém que recebemos aqui - e adoramos, mas a gente não tem a gente. Como falei no post do Sex and the city.

Obrigada academia por eu poder gastar minha energia física em você e você me encher de serotonina pra aguentar o resto da tarde. Obrigada Letícia por me ouvir tão cedinho de manhã e tentar me puxar pra um lado mais leve que deve estar em mim em algum lugar.

Ouvindo uma palestra na Seara Bendita, centro espírita que frequento não assim com tanta frequencia, ouvi algo sobre a nossa luz. Como a falta de luz (energia) nos incomoda, e pra bom entendedor meia palavra basta, e a luz da gente? E a luz de quem está em volta da gente? Cadê? Cadê essa luz que faz a gente brilhar junto, que enche a gente de vontade? Aqui não vale brigadeiro, nem capuccino da kopenhagen. Quero saber cadê a luz que me faz sair da cama? Cadê a luz que TE faz sair da cama? Cade a luz da galera que é pra estar com a gente o tempo todo? Se o escuro é ausência de luz posso concluir que talvez minha luz seja sugada por pessoas assim meio "arandelas"?

Eu pulo cedo da cama por um bom dia de sol, principalmente se eu estiver usando biquini. Eu pulo cedo da cama ficar mais bonita, mas só se não tiver outra opção, eu me empolgo sim com um bom show, e quando faço uma comida animal, chego até a conversar com ela - sim a comida!.... Mas ultimamente vou dizer que os momentos de euforia estão diminuindo....

Olhando a grama do vizinho, não tão vizinho assim, parece que tudo é mais simples. Que no interior se tem mais qualidade de vida, que quem ganha mais tem mais conforto e por assim dizer alguma felicidade a mais, e que os aposentados podem passar o dia assistindo GNT. Aí eu vejo meus avôs aposentados... Não sei se queria... Mas vejo, ai sim na grama bem do meu vizinho a mulherada na academia chegando pra aula de dança às 14h, enquanto eu engulo um salgado pra chegar na hora pra reunião. Sim, eu malho no almoço! De manhã a cama ganha, de noite a volta pra casa ganha, esse é o meu tempo pra mim. Enquanto me troco correndo, passo o secador na franja pra não chegar tão zoada, e dou uma fingida que hidrato a pele elas estão contando sobre a última viagem, ou sobre um novo tratamento estético, ou sobre a escolinha dos filhos, ou sei lá o que, mas de certo não estão falando como a vida as estão consumindo, às estão vivendo. Naqueles corpos bronzeados pelo litoral norte e eventualmente sarados parece que tudo é só felicidade.

Pode-se dizer que isso é viver a vida? Não sei! Não sei mesmo! A frase que deu o título a esse texto saiu do livro "Felicidade o Deus nosso de cada dia" do Alfredo Assumpção. Se esse cara é muito pra cima eu não sei, mas aparentemente ele vive a vida. Ele fala tanto de viver a felicidade, de buscar a felicidade, que parece que cada vez me perco mais.... Que não vou conseguir... De toda forma recomendo o livro, afinal, o cara tem uma bela história, apesar (e fundamental no caso) do tema principal não ser ele.

Enfim...

Momento desabafo.... Momento procura... Momento TPM... Momento ócio.... Meu momento agora.


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Buenos Aires - Estreando

A Flor que se abre com o Sol e eu...

Sempre me pedem dicas de viagem, e eu sempre tenho alguma coisa espalhada em algum lugar, tenho que procurar num email, ou num HD externo, e ainda assim muitas vezes tenho que recorrer a memória que não ajuda tanto... Então aí eu resolvi publicar aqui, assim fica guardado... Prometo que tentei juntar tudo que eu achei espalhado e de quebra ainda coloquei um  link super estruturado de um blog que eu AMO, vale super a pena ler esse!

Estreando a sessão:

Buenos Aires

Fui duas vezes, uma vez muito rapidinho e não curti, da outra vez fiquei 1 semana, aí sim dei o devido valor a cidade.

Vou juntar aqui várias coisas... Dicas de amigos argentinos de amigos que já foram, coisas que eu achei que valeu super a pena e o que não valeu....

Esses itens abaixo foram o Gino, um querido amigo que é Argentino e me passou, fiz questão de deixar com o sotaque dele, tão bonitinho!

  • Em Buenos Aires vc pode ir para qualquer lugar de ônibus e barato e bom (só tem que pagar com moedas)
  • Visita tigre (puerto de frutos para fazer compras no final de semana)- para ir ai tem que pegar “el tren de la costa” e lindo de mais
  • No centro na parte chamada “puerto madero” vai achar bom restaurants um pouco mais caros...
  • Vai para uma parte chamada “Palermo soho” ai tem muito para comprar e perto de ai na esquina das ruas “cordoba e Escalabrini Ortiz “ tem para comprar um pouco mais barato
  • Visita a “casa rosada” de governo e legal
  • Conhece avenida libertador da para ir andando e bem linda
  • Na parte de Palermo Soho tem muitos bares para tomar e comer
  • Si você quer ver uma obra de teatro tem “Agosto” e boa
  • Shoppings o mais legais são os de “Alto Palermo” e “abasto” e o “dot”
  • Vai Conhecer Recoleta e lindo també


Da para andar a pe e tomar taxis também.. só no momento de chegar.. si você chega a Ezeiza pega o um taxi ai dentro .. em aeroparque (e o domestico mais as vezes chegam vôos de Brasil) da para taxi o para tomar ônibus...

Aqui o que eu fiz na minha (e do Rê) viagem

Café Tortoni - assim é um clássico, mas não é nenhuma super Coca Cola. Eu gosto de clássicos, mas não pense que vai comer as melhores medias lunas da sua vida, ou churros. É ok, é cheio de história e por isso eu acho que vale a pena.

Tango Esquina Carlos Gardel, na primeira vez fui num outro que não consigo lembrar o nome agora. Mas esse é bem clássico, é caro e tem um jantar legal. Vale a pena pra quem gosta de dança.

Boca: Caminito com todas as cores e aquela loja Havana linda. Bombonera também fizemos o passeio pelo estádio, vestiários, arquibancada, quase que dava pra entrar no campo.

Cabana Las Lilas - carne sensacional. Melhor reservar por email pra garantir o seu lugar.

bikes na Recoleta
Parques: Zoológico, Jardim Botânico e Jardim Japonês. No japonês comemos no restaurante de lá e eu amei uma comida com carne de porco e arroz do fundinho do pote... Irado.

Malba - adoramos. Tem que ir.

Feira de San Telmo - não aproveitei tanto... tava frio, tinha que pagar tudo em dinheiro, mas é feirinha, esquema de feirinha, e tem umas lojas de móveis antigos de babar!

Café no Faena
Sobremesa no Faena (Puerto Madero) - vale pela visita. Eu comi um doce e o Rê um café, só a apresentação vale todos os pesos, que nem me lembro se eram muitos na verdade... Ah e por favor vá visitar o toillet... Fino meu bem!

Cemitério da Evita - não voltaria NUNCA mais! Ai nada a ver cemitério e nada a ver no geral... dá medo... detestei.

Recoleta - parques e pracinhas lindas por todos os cantos.

Shopping Design: vontade de comprar tudo pra casa.

E o que eu não fiz e queria ter feito:

El Ateneo - Rua Santa Fé, fica no prédio de uma antiga ópera, dizem que é lindo

Passeio Rio Tigre: que o Gino mencionou acima, não deu tempo, virou o tempo e achamos que não valia pena.

Dicas da Marina
Muma's Cupcake
  • Muma’s Cupcake: Rua Malábia 1630
  • Marks Deli - Sanduba e salada: Rua El Salvador 4701
  • Las Pepas - bolsas - Gurrachaga 1573 (essa loja tem em um shopping também, não lembro qual)
  • Calma Chicha - coisas pra casa, acessórios em geral. Rua Honduras 4925
  • Papelaria Palermo: Rua Honduras 4945


O que eu não faria:
O cemitério como falei acima
Rua Florida, um saco. Tem muitos outros lugares pra fazer compra que tem tudo que tem lá sem parecer que você está no meio do largo treze. Se você insistir em ir vai lembrar de mim toda vez que ouvir "câmbio", "câmbio", "câmbio"... Afe....
Galeria Pacífico, fica lá na Florida... Não gosto, mas sou considerada fresca por uma galera, então cada um com seu cada um....

Somewhere....

Onde ficamos:
Ficamos no centro no Hotel Cólon. Bem localizado perto de metrô e supermercado, MAS é antigão. A cama eu achei meio zoada, o quarto apertado, sei lá, parecem aqueles hotéis velhos do RJ... Deve ter coisa mais nova mais legal...

Câmbio: o melhor é trocar o dinheiro lá no aeroporto mesmo no Banco da Argentina, após pegar as malas na esteira, mas antes mesmo de sair onde as pessoas esperam.


Um post super estruturado sobre Buenos com um ponto de vista mais artístico:


Tropa de Elite e Lya Luft, por quê não?!


Conjuntivite. Recomendação médica “repouso domiciliar por 7 dias”. Tudo isso pra não espalhar mais ainda a epidemia, como disse a oftalmologista que me atendeu.

Depois de desligar o computador do trabalho, afinal, apesar da cara terrível é possível fazer algum trabalho... TV... Tropa de Elite já rolando. Esse filme tem algo que me faz assistir quantas vezes estiverem passando na TV mesmo sabendo que ele está aqui junto com os outros DVDs de casa. E quis assistir de novo dessa vez porque assisti uma palestra do Capitão Nascimento (o de verdade e não o Wagner Moura), e aí a gente quer relembrar de tudo, né? Eu sou assim...

Além disso, eu também tenho uma mania terrível de não perder tempo, e como o filme tinha comerciais por que não ler um livro aos intervalos? Hahahahaha, eu sei que sou maluca... Ok, peguei o meu livro “Múltipla Escolha” da Lya Luft. E eu tinha parado justamente na parte do medo em que vivemos na nossa sociedade brasileira. Pertinente esse assunto com o filme, não?!

“Entre nós, o medo da violência, seja onde for, é mais do que prudência, é questão de tentar sobreviver. Quem pode, investe em proteção particular, cara e às vezes duvidosa. Antigamente (nem tão antigamente assim), narcotráfico e bandidagem eram coisa remota, aconteciam em outros estados, em grandes cidades, nas favelas. Hoje, é tudo logo aqui, e cada um de nós que acende seu cigarrinho de maconha ou cheira sua fileirinha de cocaína no isolamento de seu quarto ou numa festa animada ajuda a promover isso.” – Lya Luft.

Aqui, eu Gabriela vou falar uma coisa que pra muitas pessoas vai soar como um escândalo, algo que nunca ninguém imaginou que eu faria, ou que ‘como assim uma menina tão responsável’, dentre outros adjetivos que eu ganhei, poderia alguma vez na vida ter fumado um cigarrinho. Sim eu fiz. Mais de uma vez. Menos do que o necessário pra ficar viciado (se é que alguém se vicia nisso).  E também fui adolescente e também ok, né?! Assim como eu fiz isso já vi muitos porres certamente mais feios do que uma viajadinha lesada por conta de um cigarro.... Bem, depois que assisti esse filme a primeira vez no cinema eu nunca mais, eu disse NUNCA mais dei nenhum peguinha num baseado. Eu me senti “o playboy que tem o apartamento na zona sul que não tem noção do que é a vida do tráfico”.  Ou a pessoa que a Lya Luft citou no trecho acima. Desde então sou completamente contra qualquer droga ilícita justamente por causa do tráfico. Tenho medo, e não quero de forma alguma fazer parte disso tudo. Defendo isso como defendo a compra de CDs e DVDs originais independente do preço que eles custem. Tudo isso é crime... E crime é crime. E ponto!

O filme continuou e os intervalos também.... E o livro também, e...

“Nada mais justo do que uma polícia eficaz e dura, porque nós, os cidadãos comuns, nos cansamos de ser caçados e mortos pelos marginais feito bichos desprotegidos.”- Lya Luft

A maioria das pessoas sabe que eu e a minha família fomos vítimas da violência da cidade de SP. Nossa família teve seus corações dilacerados no dia 09/12/98. Acho interessante o não rancor que eu tenho pela pessoa que gerou tudo isso. Mas ao mesmo tempo entendo completamente o final do filme quando o Matias mata o dono do morro que matou o seu amigo. Polícia dura, pais duros, firmeza, limites. Acho que é disso que to tentando falar.... Da nossa responsabilidade no mundo. Ah e só a título de curiosidade o “slogan” ou grito de guerra do BOPE não é ‘Faca na Caveira’ ou ‘Missão dada é missão cumprida’ mas sim ‘Vá e Vença’  - essa eu descobri na palestra do verdadeiro Capitão Nascimento, o Rodrigo Pimentel.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

E a Larissa se formou....

Todo mundo sabe que tá ficando velho... A cada dia que passa um dia a menos na vida... Mas tem coisas na vida que mostram mesmo como a gente tá ficando velho...

Essa semana minha priminha Larissa se formou. Sim minha priminha. Ela é 9 ou 10 anos mais nova que eu, portanto uma bebê. Lembro como se fosse hoje o dia que ela nasceu e fomos visitar no hospital enquanto a bonita fazia banho de luz. Ok, não é a cena mais agradável pra ver um recém nascido, mas é a vida....

Ela foi crescendo, alias, ela continuou sendo grande, porque na maternidade as roupinhas de recém nascido que minha tia levou na mala não cabiam na mocinha que nasceu com mais de 4kg. Hoje ela mede 1,75 e eu odeio o fato de ela ter praticamente 20 cm a mais do que eu.

Enquanto crescia demorou pra criar uma cabeleira, e a tia Rô fazia de tudo pra colocar uma presilha fofa naquela cabeça sem cabelo... Foi ficando cada dia mais linda e levou o título dado pelo meu pai da "Menina mais linda de Santos". Pra mim a faixa vai ser dela pra sempre. Traços delicados iguais ao da tia Rô, altura do tio Luiz, um mix perfeito, com suas covinhas e os cabelos com uma certa ondulação de uma cor que eu queria pra mim... Minha priminha....

Passou no vestibular e veio pra SP. Ficou morando em casa durante esse período e ia pra pra Santos aos finais de semana. Dei uma mãozinha na matéria de Administração de Empresas que ela achava que era suuuuuper difícil e chata.... E os anos se passaram, assim como a oradora da turma falou e quando todo mundo percebeu pumba, a colação de grau....

A Mais linda de Santos
 
Minha priminha que eu vi nascer é oficialmente uma enfermeira formada pelo Hospital Albert Einstein. A cara da riqueza, fala sério! Minha priminha é uma profissional.... E eu ja pedi dicas pra ela de saúde, doença, etc... Medo né...

A Menina mais bonita de Santos agora é a Enfermeira mais bonita de Santos. E eu que sou coruja mesmo fico repetindo pra quem quiser ouvir que é a mais bonita do Einstein e FIM!

Pra Larissa sucesso na profissão! E mais importante que o sucesso, que ele venha com a realização e a felicidade que tenta gente procura e pouca gente acha. E não sei porque me lembrei disso agora mas "Que a simplicidade faça de sua alma o espelho onde refletirá a imagem de Deus" - Adaptado da prece de Cáritas.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Risoto de Alho Poró


Hoje recebemos amigos em casa, a Karina e o Diego, e eles foram cobaias de duas receitas minhas! Uma delas foi essa que achamos todos (ou eles mentiram) que estava muito gostoso. Fonte: http://www.culinaristico.com.br/recipes/risoto-de-alho-poro

Peguei num site e testei direitinho, os comentários em roxo foi o que eu mudei, não consigo não mudar nadinha....

Ingredientes
1½
xícara(s) de chá de arroz tipo arbório
2
l de caldo de legumes (prefiro usar caseiro) - peguei parte de um caldinho de frango que tinha no freezer, caldo knorr, folha de louro, pimenta do reino e ervas finas
1/2
xícara(s) de chá de vinho seco
1
cebola média bem picada
1
alho-poró grande fatiado como preferir - não usei um inteiro, achei que ia ficar mto forte, foi meia bandeja dessas que a gente compra no super
2
colher(es) de chá de manteiga (para refogar o alho)
1
colher(es) de sopa bem cheia de manteiga
1
xícara(s) de chá de queijo parmesão ralado
1
limão médio (suco)
2
colher(es) de sopa de azeite extra virgem

Como fazer
Coloque o caldo de legumes para ferver. Em outra panela refogue a cebola picada no azeite até ficar transparente. Adicione o arroz e deixe fritar por alguns segundos, mexendo sempre.
Em seguida, acrescente o vinho e mexa até evaporar. Adicione o caldo aos poucos, mexendo sempre, com o fogo baixo.
Em uma frigideira, refogue o alho-poró na manteiga até ficar bem molinho. Quando o arroz estiver cozido, após aproximadamente 18 minutos, coloque o alho-poró e suco do limão. Mexa bem.
Desligue o fogo, acrescente manteiga, queijo parmesão e misture bem.

No final fiquei com dúvida se punha ou não o limão, mas como o acompanhamento foi uma picanha suína e com o incentivo da Karina pus o limão e sim, combinou super!

De sobremesa pudim de mãe que eles trouxeram, e foi assim a segunda feira dessa semana. Adorei fazer algo diferente!

Grazie Karina e Diego!

domingo, 20 de janeiro de 2013

"I made the wedding bigger than Big" - Sex and the city

Acho essa a melhor frase do filme.

Não sei quantas vezes eu vi... Mas hoje peguei bem do comecinho, super sem querer... Felizmente essas TVs em HD deixam a gente tirar a tradução mala e fiquei vendo, vendo, vendo.... Mesmo com intervalos.... E no meio do caminho lá estava eu comendo um miojo, quase ao mesmo tempo em que a Carrie passava o Reveillon com o Cup Noodles dela...

Esse filme é de meninas. E por mais que meninas sejam sempre mesmo meio maduras desde que nascem, as meninas são que nem são as 4 meninas, mulheres, tiazonas..... Sempre tem o estilo maluca, o estilo trabalhadora demais, a romântica.... Quando a Charlotte abraça a Carrie e olha pro Big com os olhos cheios d'agua e diz "NO", como quem quer dizer, eu to protegendo, sai daqui! Isso é muito ser mulher e ser amiga. A Samantha que resolve tudo... A Miranda que tá lá no mesmo barco passando a virada com ela....

E quantas vezes nós meninas não exageramos demais? Quantas vezes não nos iludimos horrores? E quantas vezes a véspera da festa é muito mais legal que a festa em si....

Mas, a frase... A tal frase.... Enquanto ela conversa com a Miranda e ela percebe que ela fez o "casamento maior que o Big". Essa frase é o FILME! Pra mim....

Num momento de mulher "casada" como me descrevem eu ainda faço questão de chamar o Renato de meu namorido, mas ainda prefiro namorado. Eu vivo com ele. Sim devo ser casada com ele aos olhos dos vizinhos, da minha família - que certeza que queria uma festa, uma igrejinha e uma assinatura. Mas sou mais casada com ele quando eu falo "Namo, boa noite", Namo de NAMOrado mesmo. Ou quando ele sai mais cedo que eu e deixa a mesa posta com os itens que preciso pra tomar café da manhã. Quando a gente se cuida, quando a gente se desentende e se entende, quando a gente tá a gente, como agora, os dois no sofá, eu escrevendo, ele vendo TV... Nós dois....

O casamento da Carry e do Big foram eles dois. Quando eles dois tinham certeza de que eles eram eles dois sem vestido de marca, sem mil convidados, SÓ eles dois juntos.... Porque na verdade o que o Big queria era estar com a Carrie, e só.



terça-feira, 15 de janeiro de 2013

E quando a gente liga o rádio e tá tocando aquela música....

... aquela música que a gente adora! Mas não aquela da moda, não a que tá na top 10 ou que faz parte do set list da aula de spinning....

Quando toca aquela música que não é assim tão comercial, daquela banda que você conheceu com uns amigos de uma turminha dessas que não eram adolescentes rebeldes e nem enchiam a cara de pinga com groselha e fumavam cigarro de cravo.... Isso pra mim me lembra os amigos que eu classifico como os Dave Matthews Band. Não que isso queira dizer que o sr. Dave não encha a cara... Enfim... Hoje entrei no carro e tocada Jimi Thing. Na Kiss, é claro. Qual a chance disso tocar na Jovem Pan????

Outro dia, quando pensei em fazer esse post entrei no carro e ao virar a chave o rádio ligou automaticamente e lá estava ele, John Mayer cantando Free Falling (vídeo abaixo). Música conhecidíssima com uma versão lindíssima dele que eu adoro. Nesse mesmo dia ao ligar o carro de novo lá estava o Nando Reis....

Isso me faz feliz. Ligar o rádio e escutar essas músicas... E se tocar um Pink Floyd, dependendo da música e da época do mês sou capaz de chorar devagarinho.....


quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Manaus, amor, saudade, Maceió

Se eu pudesse ter um leitor da minha mente no dia 03/01/13 teria sido perfeito pra escrever esse post... No fundo se isso existisse eu tenho certeza de que esse blog teria muito mais posts, e quem sabe eu até não ganhasse uma grana com ele,  mas como isso ainda não existe vou tentar reproduzir o que passou na minha mente naquele dia.

Estava ainda em Maceió e saímos pra dar um passeio de lancha com um casal muito atencioso e agradável. Eu adoro mar, adoro natureza, e talvez adore pelo mesmo motivo que to escrevendo esse post... Quem viu meu facebook naquele dia leu que havia sido um dia de lembranças boas, dessas que quando a gente se dá conta está chorando.

Sim... Eu estava. Saímos de lancha por uma marina que dava numa lagoa e depois ia pro mar. A paisagem já me lembrou Manaus. A lagoa principalmente, porque a paisagem de mar do Nordeste brasileiro tem muito coqueiro, o que não tem lá na Amazonia. Na logoa por outro lado havia muitas arvores praticamente cobertas de água, água essa que não era verde como a do mar. A cheia do rio era muito assim. A lancha já me lembrou meu pai, minha cor preta já me lembrou minhas raízes.... Nilson, Sebastião... Que saudade. Manaus, que tempo bom que eu vivi lá. Conheci pessoas bacanas, vivi experiências que talvez nunca fosse ter se não fosse aquela mudança em função da profissão do meu pai. Quem que tá lendo isso já viu o encontro das águas? Ou comeu tambaqui na brasa num restaurante flutuante? Sabe qual sabor do cupuaçu in natura? Já viu um bicho preguiça na escola? Enfim.... Não é esse o ponto....

Depois de conversa, almoço, caipirinha voltamos. Eu com essa melanina toda que Deus, ou os Bernardinos mesmo, me deram, estava lá na frente da lancha, de camarote, no sol, longe do resto que se escondia sob a capota. Não escutava a conversa, nem queria.... Estava inundada por lembranças de 15 anos atrás. Estava cheia de saudades, saudades do que vivi lá em Manaus, mas principalmente pelo sentimento de amor que aquela cidade me traz. Voltei a Manaus meu pai ainda era vivo, então não foi assim tão emocionante, mas certamente, quando eu voltar ao Rio Negro, quando eu for comer no Peixe Boi, quando eu chegar aquela marina.... Não sei como vou me comportar.... Acho que vou me pegar chorando.... Chorando de amor.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Commited - A Love Story

Acabei! Uhu! Quem esteve comigo no ano passado sabe que ler foi uma atividade meio escassa... Infelizmente eu li muito mais coisas de trabalho por pura necessidade do que coisas levinhas... E muitas vezes quando eu tinha o tempo livre eu preferia mesmo era cair no sofá e assistir GNT, coisa que estou fazendo nesse exato momento e juro que poderia passar dias inteirinhos só assisintindo GNT, reprises, beleza, saúde, arquitetura, culinária, beleza de novo... Adoro...

Well, mas voltando... Terminei de ler o livro e eu tenho uma mania de marcar umas partes que eu gosto ou me chamam atenção de alguma forma.... Como eu li a versão em inglês não vou traduzir porque muito provavelmente eu não vou encontrar a melhor maneira de escrever como Liz Gilbert.

Vale dizer antes de começar que ela começou a pesquisar o ritual casamento uma vez que a única chance dela ficar com o Felipe, o brasileiro que ela conhece em Bali no livro anterior seria casando com ele.....

Em alguma mini cidade da Ásia (a maioria do livro se passa por lá) ela conversando e perguntando como sempre com uma senhorinha usando uma menina como intérprete:

"Is your man a good husband?"I asked.
The old woman had to ask her granddaughter to repeat the question severalties, just to make sure she'd heard it correctly: Is he a good husband? Then she gave me a bemused look, as though I'd asked, "These stones which compose the mountains in which you live - are they good stones?
The best answer she could come up with was this: Her husband was neither a good husband nor a bad husband. He was just a husband. He was the way the husbands are.

Ela falando sobre as contas do casal....
Felipe and I have both over time, learned this hard fact to be incontrovertibly true: If you think it's difficult to talk about money when you're blissfully in love, try talking about it later, when you are disconsolate and angry and your love has died.

Devaneios... O mulher que pensa essa Liz viu...
The Buddha taught that most problems - if you only give them enough time and space - will eventually wear themselves out.

Lionel Tiger - "It is astonishing that, under the circumstances, marriage is still legally allowed. If nearly half of anything else ended so disastrously the government would surely ban it immediately. If half tacos served in a restaurant caused dysentery, if half the people learning karate broke their palms, if only 6 percent of people who went on roller coaster rides damaged their middle ears, the public would be clamoring for action, Yet the most intimate of disasters... happens over and over again"

Falando sobre os pais e a força das mulheres da sua família
This certainly was the case with my parents. "She whipped me into shape", is my dad's summation of the love story. Mostly he's okay with this, though sometimes - say, in the middle of a family gathering, surrounded by his powerful wife and his equally powerful daughters - my father resembles nothing more than a puzzled old circus bear who cannot seem to figure out how he came to be quite so high on this strange unicycle.

"To be perfectly honest, the best part of my life began as soon as you kids grew up and left the house" - a mãe dela respondendo qual foi a melhor part da vida dela no casamento. Kkkkkk.

"Marriage is a beatiful thing. But it's also a constant battle for moral supremacy" Marge Simpson

Ela pensando com ela mesma... Mais devaneios....
Every couple in the world has the potential over time to become a small and isolated nation of two - creating their own culture, their own language, and their own moral code, to with nobody else can be privy.

Even in that most repressive age (anos 1600), once the doors were closed and the people could make they own choices, each couple defined it own terms of intimate expression,
In the end, the couples tend to win.

E foi assim! Curti mais o primeiro livro, mas é sempre bom ler algo assim leve numa virada de ano, né não?!

domingo, 6 de janeiro de 2013

Infra do Brasil e Caminho de Santiago... tudo a ver!


Acabo de assistir uma reportagem no Fantástico falando de energia, a falta de infra estrutura que temos no país etc... A empresa que trabalho apareceu e eu fiquei toda feliz... É engraçado saber que faço parte de alguma forma de algo tão grande... Ó vaidade besta....

Ontem teve a festa de aniversário da minha irmã, estava conversando com uma amiga dela que me contou que fez o Caminho de Santiago. São 800kms, e como ela mesma me disse o Caminho é diferente para cada um. As pequenas coisas que aparecem na nossa cara durante a caminhada desses 800km são metáforas para a vida. A Joana, amiga da Rafa que fez a caminhada, levou 3 blusas dry fit. TRÊS. Ela sequer enchia o squeeze inteiro porque afinal de contas ela tinha que carregar a mochila durante os 26 a 30km por dia. Mochila de 7 kgs. Cada noite num albergue no seu saco de dormir sem lençol... E acorda cedo e começa de novo os mais de 20 quilômetros de caminhada – e eu que me sentia diferente por ter corrido 21km uma vez na vida. Ó vaidade besta....

E o que tem a ver uma coisa com a outra? A reportagem do Fantástico mostrava os parques eólicos no sertão baiano... Os parques que a empresa que trabalho fez direitinho, entrevista com o presidente e tudo... Aí no final a repórter entra na casa de uma moradora do mesmo sertão, de onde se viam os aerogeradores, ou gigantes cata-ventos, iluminada por uma lamparina. A luz elétrica não chega pra ela porque a linha de transmissão não está pronta. Ela não tem como pagar isso... A repórter mencionava, ‘mas nem uma novelinha dá pra ver?’.... E na sequência perguntou ‘O que a senhora queria ter se tivesse energia aqui?’ e ela respondeu ‘uma geladeira. Pra poder guardar a comida que as vezes sobra... Eu tenho que jogar tudo fora’.

Vontade de chorar.... Não precisamos de mais do que 3 camisetas e provavelmente não precisamos de 90% do que temos e do que ainda queremos ter....

Say hello to 2013

30 de dezembro de 2012, eu meio tensa com medo de perder o vôo estou com o sono leve e escuto soar lá na sala "cuco cuco cuco" e penso que ainda temos 20 minutos que parecem durar 2 segundos. Alarme, banho, pega o resto da necessaire - todo mundo deixa o resto da necessaire pra última hora e sempre esquecemos algo, o shampoo!

4 da matina chegou o táxi pré agendado e lá vamos nós pra Cumbica rumo a Maceió. Quando compramos as passagens com milhas a moça que vendia disse assim "só tem via Fortaleza". Ok vamos por Fortaleza. Só que ela não comentou que era conexão em Fortaleza e os vôos eram assim: Sobe de SP desce em Natal. Sobe de Natal desce em Fortaleza. Para em Fortaleza espera 2h. Sobe em Fortaleza desce em Recife, sobe em Recife e desce pra Maceió! Uhu chegamos!

Chegamos ao nosso hotel e um envelopinho pro nosso quarto com 4 ingressos. 2 ingressos eram praquele dia mesmo. Show do Fabtboy Slim. Mas ainda precisávamos do Shampoo e Sabonete que não estavam na necessaire. No mercado tocava uma música local que dizia "você é a cara da riqueza", fiquei com aquilo na cabeça (a música se chama Acelera da banda, dupla, ou sei lá o que Forró de Salto) - vídeo abaixo. Chorei de rir e fiquei com aquilo na cabeça.

Show do Fabtboy Slim e fomos indo junto com a galera mas éramos VIP. Adoro ser VIP, apesar de eu não ser no geral, nesses raros momentos eu me sinto bem confortável junto da riqueza viu.


Pra alguém de 1,57m estar na frente do palco faz toda a diferença. Lá encontramos pessoas conhecidas, e eu adoro encontrar pessoas sem marcar... Acho o máximo! O show foi demais! Eu estava deslumbrada vendo tudo aquilo tão perto de mim, Ainda mais eu que sempre fiz aula de spinning com alguma música e imagem de show dele rolando. Adorei! Ao final do show ainda tinha balada mas pra quem acordou às 3 da matina a diversão já tava ficando exagerada.

31/12/12 último dia do ano. A ideia era aproveitar a praia um pouco pra descansar pra festa né. E foi isso que deu pra fazer porque chegamos "tarde" e ficamos sem cadeira, guarda sol, ou algo que o valha. Tinha uma condição de consumir R$ 300 pra ter uma mesa uma cadeira... Muito obrigada né. Por isso que adoro a minha canga e o meu protetor solar! Almoço e descanso pra festinha.



A tal festinha chamava Reveillon do Absoluto. A leiga aqui que não manja de festa de reveillon de verdade nem sabia ao certo o que me esperava. Fui de branco obvio! Sem salto, obvio! Show da Ivete oras.... Salto só ela que aguenta rs rs... Chegamos na festa e a moça da porta olhou nosso ingresso como se fosse uma nota de R$ 100. Olhou contra a luz... Deu uma olhada pro lado, conversou com não sei quem e falou "olha o ingresso de vocês é VIP, é por ali"... Lá fomos nós, nós que voamos de milhas e pagamos a cozinha a prestação, dar de cara com a riqueza novamente. Todas as bebidas de primeira e todas na quantidade que a gente quisesse. Buffet com frios... Espumante pra cá, espumante pra lá e eu com a minha taça cheia o tempo todo. Ó que de-lí-cia!


Encontramos mais conhecidos mas ficamos mais nós dois mesmo, casadinhos de novo, namorandinho e dançandinho - sim eu falo no diminutivo mesmo. Aí chegou o furacão Ivete Sangalo. Fez um P show! Dancei muito e pulei muito e pela primeira vez na vida fiquei numa virada de ano até as 4h da manhã me divertindo. Saímos de lá e vi um carrinho de pipoca, "tem de R$2 e de R$ 3 moça"... Nem quis saber o tamanho "me vê um de R$ 3". AMO pipoca e começar o ano assim só poda dar boa coisa né! Voltamos ao hotel de táxi e assim recebemos 2013! Deliciosamente cheio de boas energias, diversão, fartura, felicidade, amor e pipoca com manteiga. Adoro! Obrigada a todos que participaram dessa empreitada com a gente!

Ahhhhhh e como não mencionar todos os milhões de posts no Instagram que me renderam gargalhadas! Ah, não sou obrigada!