Marcadores

Da Gabi (160) Dos queridos (54) Amor (46) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Filmes (2) Moda (2) Sampa (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

A Mulher Desiludida - Simone de Beauvoir

Outro dia comentei no facebook que ao ler esse livro eu tinha sempre a sensação de "dejavu"... Talvez pelo fato de ter lido Tete à Tete, que fala da vida da autora com o Sartre.

É um diário de uma mulher que descobre que o marido está tendo um caso e é conivente com essa situação. Fica achando que o caso vai acabar logo, que nada vai desestruturar o casamente forte dos dois... Até que ela começa entrar numa paranóia absurda... Quer saber detalhes do dia a dia dele com a amante, começa a surtar com tudo, desde um sorriso a um telefonema... Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência, nem pra maioria das mulheres, nem pra história dela com o Sartre.

Já não me lembro em qual dos casos do Sartre ela ficou muito mal. Mas tudo bem, nem é preciso.... O que me pegou nesse livro foi algo que sempre me fez pensar demais: Devemos dedicar a nossa vida inteiramente a uma única pessoa, a um único objetivo? Devemos largar nosso trabalho pra cuidar da família? E quando os filhos vão embora... Como preencher esse vazio? E os casamentos são pra sempre? E se tudo muda, como aconteceu com a minha mãe que dormiu com um marido e acordou viúva? Sempre tive medo de me entregar a qualquer relacionamento por causa disso...

Bom, a minha opinião é: somos pessoas inteiras. Não existe esse negócio de metade da laranja, tampa da panela, ou qualquer outro bordão popular. Acredito que todos temos que ter individualidade, diferenças que fazem o casal crescer, vontades diferentes, valores parecidos.

Acredito que todos os casais que se unem um dia não imaginam o fim dessa união... Mas como a Simone de Bevauvoir diz no seu livro:

... a personagem conversa com a filha:

"Filha: Errou acreditando que as histórias de amor duravam. Eu compreendi: quando começo a me agarrar muito com um tipo, arranjo outro.
Mãe: Então você não amará nunca!
Filha: Não, é claro! Você vê onde isso nos leva.
Mãe: Para que viver se não se ama ninguém? Não posso desejar não ter amado Maurice nem mesmo hoje não mais amá-lo. Eu queria que ele me amasse.
Nos dias seguintes insisti:
Mãe: Olhe Isabele, Diana e os Couturier: apesar de tudo, existem casamentos duráveis.
Filha: É uma questão de estatística. Quando você aposta no amor conjugal, você ganha a vantagem de ser abandonada aos quarenta anos, a mãos vazias. Tirou um mau número, mas não é a única."

4 comentários:

  1. Gabi, estou lendo em frances, e msm com a dificuldade do idioma, que para mim é novo. Dedico muito do meu tempo a ler, e cada dia mais mergulho na confusão e na dor que a Monique sentiu... Parei bem para pensar, estou relembrando um passado mto recente.
    Au revoir!

    Carolina Soares

    ResponderExcluir
  2. Gabi, estou lendo em frances, e msm com a dificuldade do idioma, que para mim é novo. Dedico muito do meu tempo a ler, e cada dia mais mergulho na confusão e na dor que a Monique sentiu... Parei bem para pensar, estou relembrando um passado mto recente.
    Au revoir!

    Carolina Soares

    ResponderExcluir
  3. Gabi, estou lendo em frances, e msm com a dificuldade do idioma, que para mim é novo. Dedico muito do meu tempo a ler, e cada dia mais mergulho na confusão e na dor que a Monique sentiu... Parei bem para pensar, estou relembrando um passado mto recente.
    Au revoir!

    Carolina Soares

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina, td bem???

      Não entendo nada de francês, e sempre que penso em aprender uma nova língua eu penso nela ou italiano.... Muito difícil?!

      Sobre você... como achou meu blog? No geral eu ponho no facebook e nem sei se tenho muitos acessos... Espero que a sua lembrança recente esteja melhorando ou pelo menos te fortalecendo de alguma forma.

      Sobre a Simone, eu li o Tete a Tete, que conta a vida dela com o Sartre e todos os outros homens da sua vida. Muito diferente do que eu vivo, do que eu pensava praquela época, enfim... Recomendo!

      Apareça no blog!

      Excluir