Marcadores

Da Gabi (161) Dos queridos (54) Amor (47) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Sampa (3) Filmes (2) Moda (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Melhores momentos da minha insônia de ontem...

Já que não conseguia dormir peguei uma revista e tive a felicidade de ler uma entrevista com a Miriam Goldenberg, 54 anos, antropóloga, autora de vários livros. A revista é a TPM, e os melhores trechos - difíceis de serem escolhidos pra isso não ficar uma cópia da entrevista - estão abaixo:

“O que mais me intriga é a questão do poder. Quero entender o que falta para nós, brasileiras, sentirmos o poder que temos. Porque a mulher já tem o poder objetivo: no trabalho, em casa, tem independência financeira. Mas sente uma miséria subjetiva, um vitimismo.”
Falando sobre as alemãs “Gosto desse jeito firme de ser mulher. E dá pra continuar sendo feminina, delicada, suave como é a brasileira”.
“A sociedade está introjetada na mulher. A antropologia ajuda a compreender que o que você pensa ser um fracasso individual na verdade é um problema coletivo, cultural (...) Às vezes a gente acha que está fazendo uma escolha, mas é a cultura dentro de nós escolhendo. Quando dá um clique, você começa a fazer escolhas dentro do que a cultura oferece. E hoje, na cultura brasileira, as mulheres já têm mais poder de escolha.”
Não sou 100% feliz, tenho uma tristeza permanente. Mas até agradeço essa tristeza, porque consegui, apesar disso – ou por causa disso -, ter a vida que escolhi (....) É uma tristeza crônica, mas que não atrapalha a minha vida porque não sou deprimida (...) Acredito que essa tristeza me alimenta pra ser quem eu sou, para ter a sensibilidade pra escrever o que escrevo. Sei que vai passar. E, ao mesmo tempo, sei que nunca vai passar. Aprendi a conviver com isso (...) Prefiro viver de verdade, mesmo que seja duro, do que tapar ou mentir.”
Quando comentava que os homens dizem que as mulheres precisam ser mais leves: “O que é ser leve? Lógico que quero rir mais, quero ser mais feliz, me divertir, quero uma relação gostosa, sem brigas. Se isso é ser leve, ótimo. Mas se ser leve é aquela pessoa sempre sorridente, que não desafia, que não quer uma relação instigante, aí nunca vou ser leve
“Às vezes penso como deve ser gostoso não ter que o tempo todo ter idéias inteligentes. Gosto muito de fazer o que eu faço, mas é como se nunca relaxasse.”
“Já as mulheres que pesquiso invejam nos homens principalmente a liberdade e fazer xixi de pé (risos). E, quando perguntei para os homens o que invejam nas mulheres, eles disseram: ‘Nada’.”
“O mais importante para mim, em qualquer tipo de relação é o respeito. Muita gente se torna o seu pior num casamento. Vejo muito casal com aquelas provocações, picuinhas. Vai aumentando e eles nem percebem.”
“Meu ideal dialético: é a junção da liberdade da Simone de Beauvoir com a felicidade da Leila Diniz. Mas já sei que só posso ser inteira a Miriam Goldenberg


Nenhum comentário:

Postar um comentário