Marcadores

Da Gabi (161) Dos queridos (54) Amor (47) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Sampa (3) Filmes (2) Moda (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

terça-feira, 11 de julho de 2017

Relacionamentos: uma ou outra reflexão

Não sei qual foi a primeira vez que escutei um homem dizer "nossa, se eu não fosse comprometido eu namorava com ela" ou, "ah se eu não fosse casado eu ia pegar tal mulher". Apesar de não lembrar quando foi a primeira vez que eu ouvi isso eu me lembro a primeira vez que isso me incomodou muito, faz mais de 10 anos. Eu tinha 20 e poucos anos, aquela idade em que a auto-estima não é das melhores, mas felizmente meu gênio sempre foi forte, sempre fui ardida, e questionava "opa, peraí, mas não é só você que tem que querer, bonitão".

Pode me chamar de louca, mas tá aí mais uma situação machista pra caramba que a gente escuta o tempo todo. E quando o tema é machismo, eu que sempre fui facilmente irritável e intensa nas discussões, vou em frente, em frente, em frente. Não evito confronto sobre esse tema que é extremamente importante, e extremamente atual, e todo mundo se diz a favor da igualdade de gêneros, mas nem todo mundo vive isso.

O lance é que por trás dessa frase está declarado - na minha opinião - que quem tem a decisão da escolha numa relação é o homem. E aqui obviamente estou generalizando, até porque não é todo homem que fala essa frase. Estou falando de uma turma, que me parece a maioria, mas é claro que não é todo mundo assim, nem todos pensam que quem escolhe a princesa é o homem.

A princesa indefesa que precisa tomar cuidado com o que fala, que não pode dar de primeira, ou que não tem amigos homens, que não pega no pé, e que preferencialmente não bebe muito. Entre outras situações que nem preciso elencar aqui. Imaginem só que calamidade se a mulher faz alguma dessas coisas e acaba não sendo escolhida, porque afinal, não é um material "namorável" ou "casável". Afe, que preguiça.

A verdade é que os homens só tem essa postura porque as mulheres deixam eles terem. Os meninos são ensinados desde crianças a serem machistas, e as meninas também. E ai cresce um monte de adulto com a cabeça fraca, com uma relação de superioridade que não é real. Cresce um monte de mulher que acha que precisa ser escolhida. Cresce um monte de cara achando que a coisa mais natural do mundo é escolher.

E como as mulheres deixam os caras continuam fazendo, e as mulheres não entendem o que está errado. Começa uma crise pra entender o que será que significa a mensagem de whatsapp. Ou a saga das cartomantes, ou a busca pelo signo ideal, ou variações do tom de voz...

Um desgaste.

Homens e mulheres esquecem que é preciso que os dois se escolham.

Então lembro da minha avó que sempre me disse pra eu me valorizar. E claro que o que ela quis me dizer todo mundo entendeu... Mas que tal pensar no sentido amplo do conselho? Valorizar, no dicionário: dar valor, importância a (algo, alguém ou a si próprio), ou reconhecer-lhe o valor que é dotado. Se dar valor, se reconhecer, se dar importância.

Acabo de ler um livro lindo da Milly Lacombe que fala muito de amor próprio. O Ano Em Que Morri em Nova York me fez refletir muito, sobre muitas coisas, sobre relacionamento, sobre a vida, sobre expectativas. Mas me fez refletir mais ainda, pela história da Milly, sobre o amor próprio. Sobre ser sua melhor escolha.

Esse livro é de uma mulher lésbica, sendo assim machismo não é um termo que se encaixe perfeitamente, mas foi o que me deu o click pra escrever esse texto que é um mix de rebeldia contra o machismo e uma reflexão sobre amor próprio. Muita gente pode não ver a conexão desses dois temas, mas quando falo de relacionamento entre homens e mulheres eu acho que tem muito a ver. E acho que esse click que aconteceu pra mim pode acontecer pra quem está lendo agora, pra repensar nessas situações que a gente permite, nessas mensagens camufladas, e principalmente pra reforçar sempre nosso valor. Reflexão não depende de gênero, amor próprio também não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário