Marcadores

Da Gabi (161) Dos queridos (54) Amor (47) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Sampa (3) Filmes (2) Moda (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

sexta-feira, 23 de maio de 2014

"pra eu ter a felicidade de continuar sentindo o seu amor"

No dia das mães com os netos
Nunca gostei desse negócio de "aprender a dar valor". Sempre achei que é possível dar valor sem ter que perder, sem ter que passar por experiências traumáticas, sem muito sofrimento. Continuo achando isso, mas admito que hoje dou mais e mais valor pra família que eu tenho o prazer de fazer parte.

Ontem foi aniversário do meu avô Lauro, e eu estava realmente emotiva pra escrever qualquer coisa. Muitas mensagens de aniversário pra ele em um grupo da família Ozores que temos no whatsapp me deixaram com aquele nó na garganta, e obviamente quando eu liguei pra falar com ele continuei engasgada.

Depois de um ano com o meu avô pós AVC é praticamente impossível dizer que as coisas estão iguais. Não estão e provavelmente não ficarão. A evolução do meu avô é homeopática, mas é evolução. O carinho que ele demonstra pela gente tem doses cavalares, e assim ele é retribuído. Na verdade eu acho que o amor que damos pra ele é normal, mas com os comentários das pessoas parece mesmo que fazemos mais que a média. Mas no fundo é maior que a média porque meu avô é acima da média. A família é acima da média.

Aprendi com a experiência traumática - e pra mim meu avô de quase 80 anos sofrer um AVC, ficar muito mal e quase morrer é uma experiência traumática, apesar de muita gente considerar isso "natural" com um avô, com essa idade. Voltando, aprendi com essa experiência traumática que a minha família é realmente a coisa mais importante da minha vida. Pode parecer clichê, e provavelmente quem ler isso vai achar que a sua família também é a mais importante… Talvez quem conheça a minha família concorde comigo… Quem conhece meus avós também concordará, mesmo que em partes.

Minha família sempre foi muito unida. Sempre foi uma mistura entre a família do meu pai e da minha mãe, sempre foi uma confusão. Quando meu pai morreu meus avós praticamente se mudaram pra casa da gente pra dar o apoio que podiam dar, que foi gigante. Meus avós que sempre fizeram tudo pelas filhas e pelos netos continuavam a fazer o impossível pra que aquele buraco ficasse um pouco menor. De apoio emocional a financeiro eles fizeram tudo.
E tudo quer dizer tudo. Meu avô que se tornou avô jovem e brincava com os netos de cavalinho se tornou um senhor, mas continuava o exemplo. Quando eu passei na faculdade ele fez questão de me ensinar o caminho que eu teria que fazer de ônibus. Foi comigo no horário da aula, afinal eu precisaria me programar pra chegar a tempo, sem atrasos. Meu avô foi firme ao não me ensinar a dirigir pra que eu aprendesse na auto escola sem vícios, e nunca titubeou ao me deixar dirigir seus carros (sempre um xodó). Vira e mexe faço coisas que aprendi com ele, e seria impossível ser uma pessoa que não cumpre horários e não é comprometida sendo neta do Lauro Pesente.

Eu amo essa foto! Ele sempre ri, mas adoro essa careta!

Tenho milhares de lembranças de demonstrações de carinho do meu avô. Sempre me lembro dele abraçando, beijando, fazendo carinho. Sempre de mãos dadas com a minha avó, sempre cuidando dela. Sempre cuidando das pessoas, acarinhando com as coisas que gostamos, com a atenção aos detalhes. Acho que por isso que eu sou assim mimada com algumas coisas, acostumei a ser bem tratada em casa, acostumei a ter minha fruta comprada com carinho, e acostumei a ver casais carinhosos.

Hoje quando dizem que o amor que damos ao meu avô é o que o faz evoluir eu fico pensando que por mais que façamos isso de verdade também é o mínimo que esse homem merece. O mínimo que a minha avó merece é ver o seu marido há mais de 56 anos sendo bem tratado, bem cuidado e mimado mesmo pela família que eles construíram. O mínimo é eles verem que a gente aprendeu o que importa, que a gente entendeu essa lição que parece tão óbvia mas que não é.

Pra finalizar, eu não poderia deixar de copiar parte  do que a minha mãe escreveu no facebook e eu achei lindo, concordo totalmente e não conseguiria escrever melhor: Vô, que você continue sendo abençoado todos os dias pra eu ter a felicidade de continuar sentindo seu amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário