Marcadores

Da Gabi (160) Dos queridos (54) Amor (46) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Filmes (2) Moda (2) Sampa (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Que a minha ingenuidade permaneça, minimamente...

Não me considero uma pessoa boazinha. Tenho pé atrás com um monte de coisa, coisas que a vida foi ensinando mas ando em dúvida sobre o tanto de pé atrás que as pessoas têm.

Outro dia duas amigas minhas me mostraram como eu sou ingênua pelo fato de eu ingenuamente - talvez - ter colocado a minha opinião no facebook a respeito do vandalismo que aconteceu no Leblon (Rio de Janeiro) na semana passada. Pra mim aquilo foi uma barbaridade. A tal loja que eu sequer sei o nome, e também não sei se é chique ou não, se o cara paga aluguel ou não, se tem um carrão ou não... Não sei, e isso nada tem a ver com o fato de eu ter ficado comovida quando vi aquele homem dando um depoimento com lágrimas no rosto. Pra mim não importa se foi a Globo, a CNN, ou qualquer blog cool que tenha divulgado isso, eu me comovi. Pra mim não importa se o que aconteceu foi armado pelo Sérgio Cabral, se ele é do bem ou não.

Eu me comovi porque eu me coloquei no lugar dele e fiquei triste, assim como ficaria talvez em pânico se entrassem na minha casa e levassem minhas coisas. Conquistadas por mim a maioria, ganhada um outro tanto, mas com o trabalho também de quem me deu. Nesse momento me lembro da época em que a minha mãe tinha posto de gasolina e assaltantes armados renderam o gerente e levaram todo o movimento do final de semana. A sensação dela? Desespero. Vendeu um dos dois carros que tínhamos em casa (para 3 motoristas) pra poder pagar as contas, e não é que vendeu no web motors, que vendeu bem, não, foi nessas lojas de rua e pegou o que pagavam. Pra quem foi esse dinheiro? Não tenho a menor ideia, mas o trabalho pra conseguir foi dela. Dane-se o bairro, o status, ou qualquer coisa que rotule as pessoas, é simplesmente se por no lugar ou imaginar que isso aconteça a alguém da família, já que é difícil demais fazer isso pra algumas pessoas.

Agora me emociono com o Papa no Brasil. Fui com a cara dele de cara, tem um carinha de avô bonzinho... Enfim, me emocionei e a besta foi de novo colocar isso no facebook. Muita gente achou legal, comentou positivamente, mas já ouvi gente dizendo que isso é marketing! Oi?!

Na boa, daqui a pouco nem eu vou acreditar mais em mim mesma... Vou achar que eu sou uma mentira, que na verdade não tenho 1,57m, e nem que sou filha dos meus pais porque tudo é motivo pra desconfiança, talvez nem seja eu quem esteja escrevendo esse texto. Todo mundo "tantan".

As pessoas acham pouco do choro do homem. As pessoas acham que o Papa precisa fazer marketing.... Marketing. Nem católica eu sou, mas qualquer pessoa minimamente com noção sabe que os padres e as freiras abdicam de muitas coisas quando decidem seguir essa vida. Isso nem precisa se esforçar pra saber, basta olhar no google - o mundo virou procurar no google, né?! Eu nem sabia nada sobre os Franciscanos e nem sabia que o nome tinha o tal significado que tem de humildade que esse Papa Francisco demonstra claramente. Fico me questionando se as pessoas não tem mais o que fazer. Achar que um senhor faz isso tudo por marketing sendo que ele já está no nível mais alto da igreja católica. A quem ele precisa agradar? Tipo assim, ninguém, ninguém! E as pessoas acham que é marketing.

O inferno são os outros... Esses outros que ficam sempre vendo o lado ruim de tudo - lembrando que não sou boazinha e nem mega otimista. Esses outros que não conseguem olhar pro próprio umbigo e perceber que tem algo errado neles que não conseguem sequer ver que as coisas podem ser mais simples, que o mundo não se resume a carros blindados, a medo de terrorismo, a bônus no final de ano, a varandas gourmet... Que a vida um dia vai passar e vai restar essa imagem marqueteira - porque isso sim é marketing - vazia... Bom para aqueles que conseguem deixar algo pra ser lembrado com orgulho.

Vou por meu óculos cor de rosa de novo. Tchau pra quem vê tudo em preto e branco.

Um comentário: