Marcadores

Da Gabi (161) Dos queridos (54) Amor (47) Por aí (35) Dicas (28) Família (28) Comidas (18) Viagem (16) Chatices (15) Esportes (13) Trabalho (12) Livros (9) Música (9) Crianças (5) Sampa (3) Filmes (2) Moda (2) PequenasFelicidades (1)

Instagram

terça-feira, 19 de junho de 2012

Saudades do bullying

Fiquei pensando muito tempo se escrevia ou não escrevia esse texto... Certamente vai ter gente me julgando só pelo título, também acho que vai ter um monte de gente contra, mas provavelmente lendo tudo que eu penso talvez até concorde comigo...

Cara, to achando que estamos num mundo tão falso, mas tão falso, que ninguém mais tem coragem de falar o que pensa de verdade. Outro dia eu ouvi o Max Geringher na CBN falando como ser político. Como dizer pra alguém que não concorda com a sua idéia. Que tal dizer simplesmente "não concordo"? Mas não, não pode! Não é politicamente correto. Vai que a pessoa fica chateada, né?! Então, o certo seria ficar dando um trilhão de voltas, bla bla bla wiskas sachê, bla bla bla, pense por outro lado, pra finalmente dar a entender que aquela pode não ser a melhor idéia. O que é isso!? É quase a volta da censura!

Parece que hoje o mundo se traumatiza por qualquer coisa. As vaidades estão todas desesperadas. O mundo anda a flor da pele, só pode ser... Pra chegar num ponto em que tudo tem que ser milimetricamente medido, pensado, cuidadosamente articulado... Socorro.

Em casa rola uma coisa dessas, não na minha casa mesmo, mas na minha família. É uma necessidade de afirmação impressionante. É preciso deixar claro que tudo está lindo, maravilhoso. Qualquer almocinho simples é um "banquete" - sério que a palavra é essa - qualquer vestidinho eu estou "linda", ok, avô pode falar isso da neta... Mas sério, precisa de um elogio, e vai falar que o macarrão passou do ponto pra ver o que acontece, é quase uma tragédia, não é apenas considerado um fato: o macarrão cozinhou demais, ok, da próxima vez vamos prestar mais atenção. Afe!

Ai outro dia ouvi também do Max Geringher (acho que to rebelde com ele) mais ou menos o seguinte pra uma ouvinte que não tinha facebook e que perguntava se deveria ter por causa do emprego: olha, acho que as empresas podem considerar que você é uma pessoa reservada, ou então podem considerar que você é avessa a tecnologia (!!!). Então eu sugiro que você crie uma conta no facebook e coloque no seu perfil apenas coisas relacionadas ao seu emprego. Isso vai ser bom porque assim você se obriga a estudar mais sobre o seu trabalho e fica acessível na redes sociais. (!!!!)

Agora to eu aqui (metade medrosa e metade corajosa, tipo pizza de domingo a noite) pensando qual será a repercussão disso. Hahahaha, ok, até parece que eu sou a Miriam Leitão, né, cheia de leitores... Enfim, sou dessas que se preocupa...

Assim, não sou a favor de maldade. Maldade é bem diferente de verdade. E claro que eu sei que a forma como as coisas são ditas mudam a forma que elas podem ser interpretadas, mas até aí criar um manual de como tratar as pessoas me soa ridículo. Que tal apenas ter respeito, se colocar no lugar do outro, ou então lembrar do ensinamento da vovó: "não faça com os outros o que você não quer que façam com você." Simples, não?!

Um comentário: